Compromisso das agências da ONU contra o trabalho infantil

Imprimir em PDFImprimir em PDF

 
 
 
BRASÍLIA (Notícias da OIT) – A OIT apresentou hoje em Brasília um compromisso das agências das Nações Unidas que estabelece a luta contra o trabalho infantil como uma prioridade de suas ações de cooperação na América Latina e Caribe, onde este problema afeta 12,5 milhões de crianças, a maior delas realizando trabalho perigoso.
O documento da iniciativa interagencial foi apresentado na Casa da ONU em Brasília, ao mesmo tempo em que se realiza a III Conferência Global sobre Trabalho Infantil iniciada nesta terça-feira. Durante a divulgação do documento da ONU foi destacado que a iniciativa procura impulsionar “um esforço coletivo de complementaridade de ações”.
“Devemos potencializar nossos esforços e construir fortes vínculos para enfrentar um tema que requer nossa atenção”, disse a Diretora Regional da OIT para a América Latina e Caribe, Elizabeh Tinoco.
As dimensões do trabalho infantil na região “nos obrigam a redobrar esforços”. Tinoco disse que apesar dos importantes avanços registrados nos últimos anos, ainda existem 12,5 milhões de meninas e meninos envolvidos no trabalho infantil, o que continua sendo um número elevado.
Além disso, qualificou como um “sinal de alarme” o fato de que a grande maioria dessas crianças, cerca de 9,6 milhões, estejam realizando trabalhos perigosos, equivalentes às piores formas de trabalho infantil.
“Estes números devem nos colocar em alerta e obrigarmo-nos a ser mais criativos e eficientes”, acrescentou a Diretora Regional da OIT. Disse que a coordenação das agências da ONU permitirá melhorar a cooperação com os governos.
Na iniciativa interagencial liderada pela OIT e OPAS, participaram também UNFPA, UNICEF, FAO, PNUD, UNESCO e ONU Mulheres.
O documento “Prioridades do Sistema das Nações Unidas para enfrentar o trabalho infantil na América Latina e Caribe” são detalhadas como prioridades de ação as relacionadas com a eliminação das piores formas de trabalho infantil, o trabalho infantil rural, nos povos indígenas e o trabalho infantil doméstico.
Além disso, é enfatizada a necessidade de cooperação para a geração de conhecimento, bem como a promoção de iniciativas de proteção social.
Tinoco disse que o primeiro da iniciativa interagencial estará relacionado com a coordenação de ações para enfrentar o tema do trabalho infantil. A iniciativa foi apresentada na sede do PNUD, em Brasília, cidade que sedia a III Conferência Global sobre Trabalho Infantil e que reúne mais de 1.300 delegados de cerca de 150 países.

08/10/2013