Trabalho Infantil nos lixões é tema de videoconferência na Bahia

Imprimir em PDFImprimir em PDF

BRASÍLIA (Notícias da OIT) - O Trabalho Infantil nos lixões é o tema da  vídeoconferência "O Trabalho Infantil no Lixo: Seus Malefícios e Formas de Combate", que está sendo realizada hoje em Salvador, Bahia, e pode ser acompanhada pelo site www.iat.educacao.ba.gov.br
 
Incluída na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, a coleta de lixo é uma atividade extremamente insalubre, que traz sérios danos à saúde e ao desenvolvimento de crianças e adolescentes. Os danos e as formas de enfrentamento ao problema serão debatidos nesta quinta-feira (12/04), na videoconferência O Trabalho Infantil no Lixo: Seus Malefícios e Formas de Combate. O encontro, que acontece das 14h às 17h, no Instituto Anísio Teixeira (IAT), será transmitido para 33 municípios baianos.
 
Expostos a cacos de vidro, ferros retorcidos e até agulhas usadas em hospitais, as crianças e adolescentes ficam vulneráveis a doenças de pele, febre, leptospirose, diarréia e doenças respiratórias. Não são raros os casos em que crianças e adultos comem restos de alimentos.
 
Participam do debate a auditora fiscal da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/BA) e presidente do Fetipa, Teresa Calabrich; a representante da Superintendência de Saneamento da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, Maria Valéria Ferreira; e a técnica do Instituto Aliança, Sandra Santos.
O evento, promovido pelo Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Trabalhador Adolescente na Bahia (Fetipa), é gratuito, não sendo necessária inscrição prévia.
Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD 2009), no Brasil, aproximadamente 4,2 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos trabalham. Na Bahia, são mais de 486.000 meninos e meninas nesta situação.
Não há dados oficiais sobre o trabalho de crianças e adolescentes em lixões. Até 2007, o governo da Bahia implantou 55 aterros sanitários em todo o estado. Muitos, no entanto, tornaram-se lixões.
 
Parte destas crianças e adolescentes trabalha na coleta, seleção e beneficiamento de lixo, atividade extremamente insalubre, que está incluída na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil em função dos seus riscos ocupacionais e repercussões na saúde.
 
 
 

12/04/2012