Brasil precisa avançar na oferta de emprego para jovens, diz OIT

Imprimir em PDFImprimir em PDF

BRASÍLIA (Notícias da OIT) – O Brasil ainda precisa avançar na oferta de oportunidades de trabalho para os jovens, disse a Diretora do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Laís Abramo, na abertura do Forum Nacional de Trabalho Decente para os Jovens, em cerimônia realizada na Presidência da República. O evento será realizada entre hoje (dia 3) e amanhã, numa iniciativa da OIT, da Secretaria Nacional da Juventude e do Ministério do Trabalho e Emprego.
“Apesar da situação relativamente mais vantajosa do País no cenário internacional e dos grandes avanços dos últimos anos, em termos de um modelo de crescimento inclusivo que tem, entre suas principais características, a redução da pobreza e das desigualdades e da melhoria geral dos indicadores de mercado de trabalho, os jovens e as jovens brasileiras ainda se encontram em uma situação de grande desvantagem”, disse Laís Abramo.
A Diretora do Escritório da OIT lembrou que estudos recentes mostram que as taxas de desemprego e de informalidade dos jovens são muito superiores às dos adultos, a qualidade dos seus empregos é muito mais precária. Essa situação se agrava no caso das jovens mulheres, dos jovens negros e indígenas e das pessoas que vivem e trabalham nas zonas rurais. No Brasil, o desemprego entre os jovens é duas vezes e meia superior ao dos adultos.
“Isto continua sendo uma realidade mesmo em momentos como o atual, de forte redução das taxas de desemprego e significativo crescimento dos empregos formais no País, evidenciando que o crescimento econômico é importante, mas não suficiente, e que são necessárias políticas ativas de promoção do trabalho decente para os jovens”, acrescentou.
O Forum brasileiro faz parte de um processo internacional de discussão e reflexão lançado pela OIT e que tem como referência, por um lado, uma grave crise mundial de emprego – e do emprego juvenil -, sem precedentes, resultado da crise econômica e financeira internacional que eclodiu em 2008 e que continua afetando duramente os países centrais.
O tema do desemprego juvenil estará em destaque na 101ª Conferência Internacional do Trabalho, que será realizada entre 30 de maio e 15 de junho em Genebra. Como parte do processo de preparação dessa discussão será realizado, entre os dias 23 e 25 de maio, também em Genebra, um Forum Internacional que tem o objetivo de ouvir jovens de todo o mundo. No momento, está em curso a realização de fóruns nacionais em 50 países.
Alguns dados destacados por Laís Abramo:
·         No mundo, há 75 milhões de jovens desempregados
·         A taxa de desemprego dos jovens é o triplo da dos adultos (o mesmo ocorre na América Latina)
·         Os jovens representam 40% de todos os desempregados
·         O desemprego é apenas a ponta do iceberg, pois existem muitos problemas relativos à qualidade do emprego, como a precarização e a informalidade.
 
O Brasil é o único País no qual foi discutida e lançada uma Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude, fruto de discussões entre o governo, organizações de empregadores e de trabalhadores e ligadas aos jovens. Laís Abramo observou que ANTDJ expressa e oferece uma abordagem integrada sobre o tema, propiciada pela própria noção de trabalho decente, articulada em torno de quatro objetivos estratégicos: a promoção dos direitos no trabalho, a promoção de mais e melhores empregos, a extensão da proteção social e o fortalecimento do diálogo social.
O objetivo é que a ANTDJ dê origem a um Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente para a Juventude, com resultados, metas e indicadores que possam constituir-se em orientações mais precisas para a ação e a implementação de políticas e programas nessa área.
A secretária nacional de Juventude, Severine Macedo, ressaltou que o trabalho decente é uma das principais demandas dos jovens. “O fórum se realiza em um momento especial em que a juventude ganha mais espaço. Saímos da Conferencia Nacional de Juventude, ocorrida em dezembro, e esse tema foi muito forte como uma das demandas.”
 

03/05/2012